Encerrando o Outubro Rosa, Carreta da Defensoria leva atendimento jurídico e de saúde para mulheres em vulnerabilidade

Em parceria com Hospital do Amor, DPE-AP realizou ação “Saúde e Direitos”.

Por Ingra Tadaiesky
01 Nov de 2023, 4 meses atrás
Encerrando o Outubro Rosa, Carreta da Defensoria leva atendimento jurídico e de saúde para mulheres em vulnerabilidade

 

Finalizando o mês de conscientização contra o câncer de mama, a Defensoria Pública do Amapá (DPE-AP) realizou a ação “Saúde e Direitos”  na tarde de terça-feira, 31, e ofereceu serviços jurídicos e atendimentos de saúde para mulheres em situação de vulnerabilidade. A ação aconteceu na Carreta e contou com a parceria do Hospital de Amor. 

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA) o câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres do mundo todo e de todas as classes sociais. Dados divulgados pelo Instituto no início de 2023, estimam que mais de 73 mil novos casos surgiriam no Brasil no decorrer do ano, o que significa um risco de 66,54 novos casos a cada 100 mil mulheres.  

Pensando nas mulheres mais vulneráveis, a Defensoria transformou a Carreta em um espaço de acolhimento com uma área própria para a realização de exames de mama e preventivo, bem como realizou o atendimento fim da instituição. O objetivo foi dar a oportunidade para que as assistidas pudessem, no mesmo espaço, resolver suas demandas jurídicas e cuidar da saúde. 

Marcione Viana foi uma das mulheres atendidas e na Carreta conseguiu orientação jurídica sobre Medida Protetiva, emitir a segunda via de sua Certidão de Nascimento e realizar seu exame preventivo.

“Eu adorei, achei super prático que em um só lugar consegui resolver as minhas pendências. Eu estou muito feliz com o atendimento”, disse a assistida. 

Entre todos os tipos de câncer, o de mama é o que mais mata mulheres em todo o país, mas quando detectado precocemente, as chances de remissão são maiores, segundo o INCA. Para além da detecção, existe ainda a prevenção feita através de exames de rotina e do autoexame, no entanto, há uma parcela da população feminina que não têm esse hábito. 

A subdefensora pública-geral e titular da 2º Defensoria Cível de Macapá, responsável pelas demandas de saúde, Elena Rocha, explicou que o objetivo da ação foi promover a conscientização acerca do tratamento preventivo e promover o acesso do direito à saúde. 

“Essa ação busca a promoção da necessidade de conscientização do tratamento preventivo, de forma a dar a oportunidade para que essas mulheres possam fazer os exames aqui. Quando a demanda chega na Defensoria ela chega como um problema a ser resolvido, aqui nós estamos lutando pela prevenção e resolução extrajudicial das demandas relacionadas à saúde da mulher”, explicou Elena.